Como uma marca pode modificar o cenário social? Dando o exemplo.

A ERA DO PROPÓSITO

QUANDO UMA MARCA NÃO FOCA APENAS EM SEU BENEFÍCIO PRÓPRIO, MAS TAMBÉM NO COLETIVO, ELA INSPIRA AS PESSOAS A FAZEREM O MESMO. MAS PARA ISSO É PRECISO REALMENTE VIVER ESSES VALORES,

E NÃO APENAS DIVULGA-LOS.

Durante muitos anos as empresas focaram apenas em vender, vender, vender. Não importava se as pessoas precisavam ou não de seus produtos (vamos persuadir, vamos convencer, vamos vender!!), não importava se seus funcionários eram mal pagos ou infelizes (vamos lucrar, lucrar!), não importava o quanto o planeta sofreria as consequências a curto ou longo prazo (vamos produzir, produzir!!), não importava… nada.

Felizmente esse cenário está mudando, e mudando rapidamente. Marcas e consumidores estão se unindo para um consumo consciente e sustentável. Empresas oferecem novas opções de soluções e o público cada vez mais escolhe comprar dessas empresas. Por acreditar em seu propósito, por ajudar uma causa, por querer fazer parte de um grupo que busca melhor qualidade de vida não só para si, mas para o todo.

Erroneamente muitas empresas acham que basta simular um posicionamento, adotar discursos poéticos, solidários e gritar aos sete ventos suas teses de boa intenção. Nenhuma marca consegue sustentar por muito tempo uma falsa postura. As pessoas percebem. Não adianta criar um marketing em volta de uma missão. É preciso que as atitudes sejam coerentes com os discursos. A marca que apóia minorias não pode poluir. A marca que protege os animais não pode tratar mal os funcionários. A marca que difunde a paz e a espiritualidade não pode ser mesquinha com seus parceiros. Não é para “vestir uma fantasia”. É para verdadeiramente SER.

É com ações, não apenas com palavras, que se dá o exemplo, que se demonstra a preocupação com o coletivo, é assim que uma marca consegue inspirar as pessoas e aos poucos vai ajudando a melhorar o mundo.

Descubra o seu propósito e seja você também uma marca inspiradora.

As pessoas enxergam seu verdadeiro valor?

lapide a sua empresa

O mundo está super lotado de opções. A cada dia, o mercado é atingido por verdadeiras avalanches que despejam novos profissionais e novas empresas, em todos os segmentos. São como pedras que se amontoam, e o público vai escolhendo a que está mais na frente, ou a maior. E você vê pessoas muito menos qualificadas, empresas que nem são íntegras e experientes como a sua, serem escolhidas, enquanto você vai ficando para trás, como que soterrado, esquecido.⠀

Só que o mercado estar lotado de profissionais não é o seu verdadeiro problema.⠀

É o que eu costumo chamar de Síndrome da Pedra Bruta. Pedras preciosas brutas se confundem com pedras comuns. Mas depois de lapidadas, podem valer fortunas, porque assim mostram seu verdadeiro valor.⠀
Eu me dedico a lapidar profissionais e empresas. Eu acredito que o verdadeiro valor precisa ser mostrado. Acredito que, não importa o seu tamanho, você tem sim algo muito valioso precisando apenas dos ajustes certos para se fazer notado. Eu ajudo a contar suas histórias, seu propósito, seus valores e princípios. Faço com que o público enxergue seus conceitos intangíveis, traduzindo-os em uma imagem que o representa. E assim você passa a ser escolhido não por ser uma opção, mas por você ser VOCÊ.⠀

Não basta ser valioso, você precisa SER PERCEBIDO como tal. ⠀

Eu acredito que ninguém precisa ter uma grande empresa para ser uma grande marca. E te convido a abandonar sua condição de pedra bruta para brilhar como um verdadeiro diamante.⠀

Profissionais de saúde e a nova concorrência online.

“CONHECE UM BOM DERMATOLOGISTA NO LEBLON?” Você está pronto para isso acabar? Ninguém mais precisa procurar uma ótima nutricionista em Copacabana, ou no Rio de Janeiro, ou no Brasil…. Sim, porque com a Telemedicina não existem mais as fronteiras físicas. Já pensou nisso? Hoje a pessoa pode morar em Barra Mansa e se consultar com um psicólogo em Paris… Na verdade é uma nova realidade boa para os pacientes e para os profissionais de saúde. ⠀

Só tem um porém: com a pandemia do Coronavírus todos os profissionais de saúde que resistiam aderir às redes sociais entraram na internet ao mesmo tempo. E muitos já estavam lá conversando com as pessoas há algum tempo… ⠀

Claro que a tendência é que as pessoas continuem se consultando com os profissionais que já frequentavam presencialmente. Mas não tem como ignorar o aumento da concorrência. Como se destacar para ser escolhido?⠀

Você não apenas precisa ter presença online como precisa estar nas redes sociais DA FORMA CERTA. É preciso estratégia para se comunicar com eficiência, não infringir os códigos de ética, e se diferenciar no mercado lotado. Mais do que ser um profissional competente, você precisa SER VISTO como um profissional competente. “Marque sua consulta”, “ligue já”, “resultados garantidos”, “o melhor profissional do mercado” são formas de comunicação ultrapassadas e nada eficientes hoje.⠀

Mostre ao público quem você é. Mostre como você pensa, como trabalha. Mostre que tem experiência, explique assuntos que para nós leigos são complexos. E deixe de lado os termos técnicos, fale de forma que qualquer um entenda. Se seu objetivo é conseguir mais clientes, não fale como se estivesse dando palestra para profissionais da sua classe. Fale como se o paciente estivesse na sua frente. Mostre que se importa. Esclareça, simplifique, gere empatia. Tenha um visual diferenciado, seja uma marca que transmite confiança. Comunicação visual e auditiva geram sentimentos nas pessoas. Isso é BRANDING.⠀

A internet é um meio fantástico de conexão e aproximação de pessoas. Mas, da mesma forma que comprar um carro não faz de você um bom motorista, é preciso saber como se posicionar online para ser bem sucedido.⠀

Cuide bem do seu branding.⠀

Guia para uma live legal

como fazer uma live de yoga

Recentemente as pessoas precisaram mudar seus hábitos para se adaptar a uma situação de emergência mundial. Alguns, que já estavam acostumados a trabalhar remotamente, em home office, lidaram com isso muito bem. Mas a grande maioria precisou aprender a nadar já estando dentro da piscina de tubarões. Eu, que trabalho há 20 anos em casa, estava recentemente, por conta do grande volume de trabalho, tentando era sair mais…

Ajudei recentemente o studio onde pratico yoga a ministrar suas aulas de forma online, com todos os professores a salvo em suas casas. É maravilhoso poder manter a prática durante o período – necessário – de isolamento. Compartilho com você as orientações que passei a eles, podem ser úteis para suas próprias transmissões ao vivo, tanto de yoga como também para outros assuntos. Fique a salvo, fique em casa. É muita fase muito difícil, mas vai passar, e como estaremos depois depende de como agimos agora.

CHECKLIST PARA AULA DE YOGA ONLINE

  • Restarte seu modem 15 minutos antes da live. Isso evitará travamentos da internet durante a transmissão.
  • Confira se a bateria do seu celular está carregada.
  • Limpe a lente da camera do celular.
  • Use o microfone do celular para “aproximar” o som de você.
  • Coloque o celular/microfone longe de locais com ruídos (tipo fontes zen de água)
  • Cheque a iluminação tirando uma foto sua no local e posição que os participantes da aula vão te ver. Use o timer da camera se não tiver quem ajude.
  • Entre ao vivo 10 minutos antes da hora marcada para fazer os ajustes. O Instagram só nos dá 1 hora de transmissão, não vamos disperdiçar esse tempo. Fale com as pessoas… “Oi, pessoal, estou aqui ajustando tudo porque à tal hora em ponto vou entrar para começar a nossa aula. A luz está boa? O som está bom?” Na hora que você entrar, já estará tudo pronto.
  • Se você não estiver sozinho, peça a quem junto para acompanhar a live em seu próprio celular, para monitorar a transmissão. Nem sempre você não poderá ficar olhando se tudo está ok.
  • Desative os comentários ao iniciar a aula.
  • Se você ultrapassar o tempo de 1 hora o Instagram te corta e você não pode nem salvar a live, nem compartilhar. Planeje uma aula de 50 minutos, é mais seguro.
  • Baixe a live ANTES de compartilhar. Senão depois não tem como. É legal guardar esses arquivos para ações futuras. Esses videos podem ir pro YouTube, ou parte deles pro IGTV (não sei ato tempo IGTV está liberando, eram 10 minutos mas sei de gente que consegue mais).
  • Compartilhe a live nos stories. Ela permanecerá lá por 24h.

Quem não se comunica…

Entre 1956 e 1988 a televisão brasileira transmitiu os programas do Chacrinha – José Abelardo Barbosa de Medeiros – apelidado de “Velho Guerreiro”. Um de seus bordões mais famosos era “Quem não se comunica se trumbica”. Muito sábio, o Chacrinha.

Um problema muito sério no relacionamento cliente X fornecedor é a comunicação. A ineficiência ou mesmo a falta dela.

O filme Minha Amada Imortal (Immortal Beloved, Bernard Rose, 1994) mostra uma carta que Beethoven “acha” que enviou à sua amada. Na verdade a carta nunca foi entregue à sua dona, gerando, assim, o término de um grande amor. Um mal-entendido com consequências irreparáveis.

Mal-entendidos são terríveis. Um deles custou-me um cliente recentemente. E podem ser evitados. Com cuidado, muita atenção e persistência. Algumas idéias para manter uma boa comunicação com seu cliente:

• Registre por escrito reuniões, pedidos, orientações… com datas. Guarde os e-mails que trocou com os clientes.
• Combine datas de entrega de trabalhos. “Assim que puder”, “logo” e “rápido” não são prazos reais.
• Se o cliente não responder seu e-mail, aguarde um ou dois (no máximo) dias e confirme se o e-mail foi recebido
• Se seu cliente desaparecer, procure-o. Muitas pessoas pedem orçamentos e depois somem. Não suma você também. Confirme se a pessoa desistiu do trabalho, se ainda está pensando ou se não recebeu sua correspondência.
• Confirme o confirmado. A gráfica disse que ia entregar direto no cliente? Confirme se entregou. O fornecedor disse que as pastas são impermeáveis? Confirme se a tinta não sai quando molha. Parece bobeira, mas não é.
• Detalhe sempre. O cliente disse “nem precisa me dar o orçamento, pode mandar fazer”? Pegue um orçamento prévio e peça a ele para assinar. Disse “quero laranja, você pode escolher o tom”? Pegue uma tabela Pantone e mostre a ele, anote o número escolhido. “Mande fazer mais mil postais”. Envie um arquivo pdf do trabalho original e pergunte se não há realmente nenhuma modificação a ser feita.
• Dê sinal de vida de vez em quando. Não precisa ser chato e ficar ligando toda semana, mas telefone no aniversário do cliente, mande um brinde bonitinho no final do ano, ou simplesmente convide para um almoço ou café. O cliente pode não precisar de você naquele momento, mas certamente gostará da atenção.

Tem mais alguma dica bacana sobre comunicação com cliente? Envie pra nós! 🙂

Lançamento do livro O Mais Querido do Brasil, de Ziraldo

Hoje foi dia de festa na sede da Gávea do Clube de Regatas do Flamengo. Uma visita de Ziraldo para autografar seu livro “O Mais Querido do Brasil” em quadrinhos. Cinquenta crianças da Escola Municipal Sérgio Vieira de Mello foram convidadas e fizeram a maior farra: pintaram o rosto, desenharam, lancharam e brincaram com os mascotes Uruba e Urubinha. Cada uma ganhou de presente da Editora Globo um exemplar do livro, que levaram para casa autografado pelo autor. Foi uma tarde cheia de alegrias na linda sala de troféus do clube. Parabéns ao pessoal do Marketing do Flamengo pela organização!



Jade Barbosa

Como alguns já sabem, trabalho como diretora de Marketing do Clube de Regatas do Flamengo. Não vou lá todos os dias, porque minha função principal é cuidar do desenvolvimento do site oficial e posso fazer a maior parte do trabalho em meu escritório. Mas pelo menos uma vez por semana vou à sede da gávea para reuniões etc. Ontem foi um desses dias, estava acompanhando a Mila Juns, uma das programadoras do site, que veio de São Paulo para uma reunião. Ao passarmos ao lado do ginásio olímpico vimos uns flashes… lá estava nossa campeã numa sessão de fotos!

Desde os jogos Panamericanos eu estava tentando fazer uma entrevista com a Jade para o site do Flamengo. Mas a agenda da atleta nunca permitiu, assim que os jogos no Rio de Janeiro terminaram ela voou para a Europa. Conversei com o pai dela, Celso Barbosa, extremamente atencioso e simpático. Ele prometeu ajudar nesse projeto, disse que podemos enviar as perguntas por e-mail e ela nos mandaria as respostas. Disse também que poderia fornecer fotos para a matéria. Dessa forma, em breve teremos uma nova entrevista no flamengo.com.br. (obs: deu tudo certo e hoje a entrevista com a Jade já está na Flapédia: www.flamengo.com.br/flapedia).

Jade é uma graça, simpática, paciente, atenciosa – muito fofa. Atende a todos que se aproximam com carinho e um sorriso. Ela devia estar cansadíssima depois da longa sessão de fotos que incluía trocas de roupa, num dia de calor intenso (eu estava derretendo dentro do ginásio). Mesmo assim tirou fotos com os fãs que se aproximaram e conversou um pouquinho comigo. Eu sugeri ela ter um blog no site do Flamengo, mas ela disse que muito provavelmente ele ficaria com conteúdo muito atrasado por causa do pouco tempo livre em seu dia a dia. Um blog tem que ter informações frequentes, não é mesmo? Uma atleta tão disciplinada não se comprometeria com algo que ela achasse que não poderia cumprir.Foi uma alegria muito grande conhecer Jade Barbosa pessoalmente. É claro que a tiete aqui não poderia deixar de registrar o encontro com uma foto! E assim vocês ficaram sabendo como eu sou baixinha… Olha eu do lado dela!!! Rs, rs, rs

Macumba?

Qual o designer que nunca fez uma maluquice por seu trabalho? Formatando um livro sobre carnaval, cismei que precisava de uma foto de um pé de chinelo velho perdido na areia da praia, meio enrolado numas serpentinas… “Acabou noooooosso car-na-vaaaaaal…” Pois é, lá fui eu pra praia de Ipanema, em plena quarta-feira nublada fazer a tal foto. Na sacola (de supermercado) um pé de tamanco que eu nem lembrava que tinha, outro de sandália havaiana, uma garrafa vazia de cerveja long neck, algumas serpentinas e um punhado de confete. A lenha foi achar confete e serpentina pra comprar em setembro. Ah, e minha câmera, claro, e as chaves de casa. Sabia que a praia estaria completamente vazia pelo horário e o frio do início de primavera. Não dava pra levar mais do que o essencial.

Foi eu agachar para montar minha produção fotográfica e imediatamente colar em mim a única alma encarnada naquela praia: um vendedor de pipas. Eu estava bem perto do calçadão, pra poder correr ao primeiro sinal de adversidade. A primeira sugestão de meu espectador foi que eu fosse mais pro meio da areia, lá ela estava “mais fofinha”… Eu disse “não obrigada, não precisa, só vou fazer uma foto”. A criatura não descolou. Ficava dando palpites “coloca mais confete! Ia ficar legal se tivesse umas pontas de cigarro! Coloca chave também!” Eu lá agachada, virando sandália pra cá, tamanco pra lá, não concordando com meu “assistente”, mas também não discordando, que eu não sou besta… Fiz umas 15 fotos com diferentes poses de chinelos e garrafa, despedi-me da figura e fui-me embora. Ah, dei um rolinho de serpentina pra ele, de brinde.

Já no escritório me toquei do seguinte: o que as pessoas que passavam na calçada ou de carro ali do lado poderiam ter pensado daquela cena? Uma mulher de cócoras na areia da praia numa tarde nublada, arrumando umas coisas no chão, com um vendedor de pipas mais pro despencado do lado? Macumbeira, claro!!!! Bem que os rapazes do quiosque me olharam meio esquisito quando eu fui embora. E que macumbeira estranha, que depois leva a macumba de volta pra casa e deixa a praia limpinha… Ai, ai… E a foto final vocês podem ver no início deste post, pra mostrar como o mico valeu à pena! Rs, rs, rs.

Trabalhando em casa

Se você decidiu trabalhar em casa, ótimo. As vantagens são diversas, especialmente se você mora e trabalha sozinho. Se você mora com sua família, procure deixar o local de trabalho bem separado da área residencial. Eventualmente você precisará receber um cliente em seu escritório e não vai ser nada agradável se ele for obrigado a interagir com sua intimidade. Nada de deixar a cozinha aparente, toalha molhada no banheiro e – pior de tudo – seu quarto de dormir exposto. O ideal é que a primeira coisa que o cliente veja ao passar da porta de entrada seja seu local de trabalho. Mas nem sempre isso é possível, de acordo com a arquitetura de cada imóvel. Nesse caso, mantenha a arrumação de sua casa impecável.

Tenha um telefone exclusivo para o escritório. E se você tem filhos, nada de deixar as crianças atenderem essa linha. Já pensou o cliente ouvir um “mããããããããããããnhêêêêê, telefoooooone”? Nada profissional. Quando seu cliente te liga ele quer falar com um profissional, não com o pai ou com a mãe de alguém. Crianças são uma delícia, e fonte de muita inspiração, mas no horário comercial é melhor mantê-las entretidas longe do escritório. Separe um horário para ficar exclusivamente com seus filhos todos os dias e eles entenderão quando você precisar se dedicar ao trabalho.

Dependendo da configuração da sua residência (posição dos cômodos, número de pessoas que moram com você etc) talvez seja uma boa idéia receber seus clientes em um escritório virtual. São salas comerciais com serviços de internet, telefone, fax etc, que são alugadas por hora para reuniões profissionais. Procure uma que seja conveniente para você, se quiser deixe a sugestão abaixo nos comentários!

Trabalhar em casa não obriga ninguém a estar 24 horas disponível. Faça seu horário de trabalho e seja fiel a ele. Ter a tal linha telefônica exclusiva para o escritório facilita muito. Quando seu expediente terminar, deixe a ligação cair na secretária. Feche a porta do escritório. Assim você poderá se dedicar também a sua família e a você mesmo. Tudo bem, de vez em quando a gente precisa fazer hora extra, mas não deixe que isso vire regra. O stress chegará rapidinho e a estafa em seguida.

Assista TV, leia um romance, brinque com o cachorro, vá à ginástica, saia com os amigos. Trabalhar em casa é muito gostoso se feito com disciplina e coerência.