Ele pode parecer uma versão aprimorada da Realidade Virtual (RV), mas algumas pessoas acham que o metaverso pode ser o futuro da Internet. Acredita-se que ele pode ser para a RV o que o smartphone moderno é para os primeiros telefones móveis desajeitados da década de 1980.

Em vez de estar em um computador, no metaverso você pode usar óculos especiais para entrar em um mundo virtual conectando todos os tipos de ambientes digitais.

Ao contrário da RV atual, que é usada principalmente para jogos, este mundo virtual pode ser usado para praticamente qualquer coisa – trabalho, diversão, shows, viagens ao cinema – ou apenas para passear.  Imagina-se que você terá um avatar 3D – uma representação de si mesmo – conforme o usa. Mas por ser ainda apenas uma ideia, não existe uma definição única do metaverso.

Há um grande entusiasmo sobre o metaverso entre ricos investidores e grandes empresas de tecnologia, e ninguém quer ficar para trás se esse for o futuro da Internet.

Também há a sensação de que, pela primeira vez, a tecnologia está quase lá, com os avanços em jogos de RV e conectividade chegando perto do que pode ser necessário.

O Facebook fez da construção do metaverso uma de suas grandes prioridades. Está investindo pesado em realidade virtual por meio de seus aparelhos chamados “Oculus”, tornando-os mais baratos do que os concorrentes – segundo alguns analistas talvez até com prejuízo. Também está construindo aplicativos de RV para encontro sociais e de trabalho, incluindo aqueles que interagem com o mundo real.

Apesar de sua história de compra de rivais, o Facebook afirma que o metaverso “não será construído da noite para o dia por uma única empresa” e prometeu colaborar. Mas acha que a ideia do verdadeiro metaverso levará outros 10 a 15 anos. Recentemente, a empresa investiu US $ 50 milhões (cerca de R$300 milhões) no financiamento de grupos sem fins lucrativos para ajudar a “construir o metaverso com responsabilidade”.

Quem mais está interessado no metaverso?

O Sr. Sweeney, chefe da Epic Games (criadora do jogo Fortnite), há muito fala sobre suas aspirações sobre o metaverso.

Jogos online multiplayers têm mundos interativos compartilhados há décadas. Eles não são o metaverso, mas têm algumas ideias em comum.

Nos últimos anos, a Fortnite expandiu seu produto, hospedando shows, eventos de marca e muito mais dentro de seu próprio mundo digital. Isso impressionou muitos com o que era possível – e colocou a visão que o Sr. Sweeney tem do metaverso em destaque.

Outros jogos também estão se aproximando de uma ideia de metaverso. Roblox, por exemplo, é uma plataforma para milhares de jogos individuais conectados a um ecossistema maior.

Enquanto isso, a Unity, uma plataforma de desenvolvimento 3D, está investindo em “gêmeos digitais” – cópias digitais do mundo real – e a empresa gráfica Nvidia está construindo seu “Omniverse”, que descreve como uma plataforma para conectar mundos virtuais 3D.

Então, tudo gira em torno de jogos?

Não. Embora existam tantas ideias sobre o que o metaverso pode ser, a maioria das visões vê a interação humana social como o núcleo.

O Facebook, por exemplo, tem experimentado um aplicativo de reuniões de RV chamado Workplace e um espaço social chamado Horizons, ambos usando seus sistemas de avatar virtual.

Outro aplicativo de RV, VRChat, é totalmente focado em sair online e bater papo – sem nenhum objetivo ou propósito além de explorar ambientes e conhecer pessoas.

Outros aplicativos podem estar esperando por aí, prontos para serem descobertos.

Sweeney disse recentemente ao Washington Post que imagina um mundo onde um fabricante de automóveis tentando anunciar um novo modelo “vai lançar seu carro no mundo em tempo real e você será capaz de dirigi-lo”.

Talvez, ao fazer compras online, você experimente as roupas digitais primeiro e depois faça o pedido para que cheguem ao mundo real.

E essa tecnologia já existe?

A RV já percorreu um longo caminho nos últimos anos, com headsets de última geração, que podem induzir o olho humano a ver em 3D enquanto o jogador se move em um mundo virtual. E está se tornando mais corriqueira – o headset para jogos Oculus Quest 2 VR foi um presente de Natal popular em 2020.

A explosão de interesse nas NFTs, que podem fornecer uma maneira de rastrear de forma confiável a propriedade de bens digitais, pode apontar para como uma economia virtual funcionaria.

E mundos digitais mais avançados precisarão de conectividade melhor, mais consistente e mais móvel – algo que pode ser resolvido com o lançamento do 5G.

Por enquanto, porém, tudo está nos estágios iniciais. A evolução do metaverso – se isso acontecer – será travada entre os gigantes da tecnologia pela próxima década, ou talvez até mais.

Sua marca está preparada para o Metaverso?
…………………………………………………………………

Fonte, em inglês: https://www.bbc.com/news/technology-58749529
Tradução livre de Marcia Fialho