Qual o designer que nunca fez uma maluquice por seu trabalho? Formatando um livro sobre carnaval, cismei que precisava de uma foto de um pé de chinelo velho perdido na areia da praia, meio enrolado numas serpentinas… “Acabou noooooosso car-na-vaaaaaal…” Pois é, lá fui eu pra praia de Ipanema, em plena quarta-feira nublada fazer a tal foto. Na sacola (de supermercado) um pé de tamanco que eu nem lembrava que tinha, outro de sandália havaiana, uma garrafa vazia de cerveja long neck, algumas serpentinas e um punhado de confete. A lenha foi achar confete e serpentina pra comprar em setembro. Ah, e minha câmera, claro, e as chaves de casa. Sabia que a praia estaria completamente vazia pelo horário e o frio do início de primavera. Não dava pra levar mais do que o essencial.

Foi eu agachar para montar minha produção fotográfica e imediatamente colar em mim a única alma encarnada naquela praia: um vendedor de pipas. Eu estava bem perto do calçadão, pra poder correr ao primeiro sinal de adversidade. A primeira sugestão de meu espectador foi que eu fosse mais pro meio da areia, lá ela estava “mais fofinha”… Eu disse “não obrigada, não precisa, só vou fazer uma foto”. A criatura não descolou. Ficava dando palpites “coloca mais confete! Ia ficar legal se tivesse umas pontas de cigarro! Coloca chave também!” Eu lá agachada, virando sandália pra cá, tamanco pra lá, não concordando com meu “assistente”, mas também não discordando, que eu não sou besta… Fiz umas 15 fotos com diferentes poses de chinelos e garrafa, despedi-me da figura e fui-me embora. Ah, dei um rolinho de serpentina pra ele, de brinde.

Já no escritório me toquei do seguinte: o que as pessoas que passavam na calçada ou de carro ali do lado poderiam ter pensado daquela cena? Uma mulher de cócoras na areia da praia numa tarde nublada, arrumando umas coisas no chão, com um vendedor de pipas mais pro despencado do lado? Macumbeira, claro!!!! Bem que os rapazes do quiosque me olharam meio esquisito quando eu fui embora. E que macumbeira estranha, que depois leva a macumba de volta pra casa e deixa a praia limpinha… Ai, ai… E a foto final vocês podem ver no início deste post, pra mostrar como o mico valeu à pena! Rs, rs, rs.